play music

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

HISTÓRIA DE PAIXÃO..

Dizem que os atos se sobrepõem as palavras
Imagem: retirada da Internet
Então deixa-me falar no teu espelho
Onde as letras constroem reflexos

Dizem que reflectem o nascimento do ser
Então deixa-me ver tua luz
Que serve de guia no meu caminho

Dizem que o mesmo se altera
Então deixa-me ver tua rota
Para evitar os trilhos de sombra

Dizem que ela, tudo extingue
Então deixa.me ser eterno
Neste presente que procura teu futuro

Dizem que ele nunca se revela
Então deixa-me ser intemporal
Para não ser esquecido pelo teu tempo

Dizem que além dele nada existe
Então deixa-me ir ao encontro da luz
agarrado a ti até ao firmamento

Dizem que seu brilho tudo cega
Então não me deixes acordar
Para contigo poder sempre sonhar

Dizem que o sonho altera a existência
Então deixa-me transformar a vida
E soltar a capa que me retém na ilusão

Dizem que ela baralha os sentidos
Então deixa-me dar as cartas
E sentir o poker do teu coração

Dizem que ele por vez se fecha
Então dá-me a chave do teu
Para lá deixar o nosso sonho

Dizem que na dúvida se desfaz
Então não te esqueça de o alimentar
Com a história da nossa paixão


António Afonso 2016/08/31(
Reservados direitos de autor – Lei 50/2004)

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Mar de paixão...

Há momentos mágicos
Imagem:retirada da Internet
Captados pela objetiva
Para poder apaziguar
O sofrimento trágico

Há locais especiais
Que só se pode ver
Quando se viaja
Nas redes sociais

Pego na tua fotografia
Entre dedos trémulos
E vejo nossa história
Que já foi magia

Cada hora…
Sem ti…
Vira eternidade…
No coração que chora

Desenho teu rosto
No espelho de lágrimas
Misturando as cores
Do meu eterno sonho

Na tua cinta delgada
Rodeada pelas águas
Imagino as caricias
Das ondas salgadas

Não quero despertar
Tão longe do teu mar
Que até os quilómetros
Se fatigam para te alcançar

Se o tempo deixar…
Eu posso sempre soprar
Palavras de amor…
Para o vento te entregar

Guardas no coração
Nesse paraíso de água
Que só consigo alcançar
Pelas marés da imaginação

No oceano da vida
Tua foto molhada
viajara nas correntes
De uma paixão vivida

Não te esqueças de sonhar...
No meu mar de paixão…

António Afonso 2016/08/31
(Reservados direitos de autor -Lei 50/2004)

sábado, 27 de agosto de 2016

PERDI-TE...

Perdi-te…
Imagem:retirada da Internet
Na feira das dúvidas
Esqueci-me de ti

Comprei conselhos
A quem não sabia
E opinião…
A quem não tinha

Perdi-te…
Quando te via…
Mas não sabia

Procurei-te na ausência
De quem não partiu
Na presença…
De quem não te viu

Perdi-te…
Sem te conquistar
Quando ansiava…
Amar…

Sumido nas incertezas
Do teu saber…
Alucinado por palavras
Do teu querer…

Perdi-te…
Quando te achei
Encontrei-te…
Quando te perdi

Separados…                    
Pela distância
Que a saudade…
Aproxima…

Perdi-te…
Outrora…
Encontrei-te…
Num sonho…

Agora!

António Afonso 2016/08/27
(Reservados direitos de autor – Lei 50/2004)

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Matas-me…

Imagem:retirada da Internet

Matas-me…
Com tua ausência…
De cristal…

Atingiste-me…
Com os estilhaços...
Da tua partida...

Desfazendo…
Meu coração…
Em mil pedaços...

Queria colar...
Um a um…
Quando te foste

Apenas ficaram...
Os destroços…
Das recordações

Perdidos….
Boiavam….
Na minha mente

A deriva …
Neste mar de vida
Que virou deserto

Apenas…
Vislumbrei teu vulto
Numa miragem

Vadio na tormenta
Que devastou
Nosso oásis

Fico…
A espera…
De novos dias…

Alvor de bonança
Destilando perfume
No teu ansiado retorno

Mata-me…
Com tua presença…
De novo!

António Afonso 2016/08/20

(Reservados direitos de autor-Lei 50/2004)

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

A chave do sonho…

Imagem;retirada da Internet
Nos sonhos suados
Do desejo suscitado
Pelo vulto sensual...
Que se furta ao real

Acordei atado...
Preso pelo passado
Numa teia de remorsos
Que rasguei com esforço

Cai na realidade...
Onde dói a verdade
Que se faz dor...
E rasga com ardor

Os planos idealizados
Por dois seres amados
Desfeitos quando acordei
Neste mundo que herdei...

Quero-te dar a chave...
Para penetrares na nave
Onde o sonho continua
E te vejo sempre nua...

Não quero mais acordar
E nunca parar de sonhar
Para o sonho se realizar
Atado pelo verbo amar

Esta vida é um sonho…
Que dorme com paixão…
Nos braços…
Do teu amor.


António Afonso 2016/08/17
(Reservados direitos de autor-Lei 50/2004)

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Passos do teu caminho...

Imagem: retirada da Internet
Separaram-se do passado
Vencidos pelo tempo datado
Seguem rumo ao futuro…
Forçados pelo presente

Horas fragmentadas …
História inacabada…
Que o desejo não demite
Nesta vida que se omite

Fantasmas encurralados…
Pela paixão agrilhoados
Perseguidos na mente…
Neste mundo dissidente

Nos olhos de lágrimas
Reflexos puros de almas…
Que a força da vida separa
E a esperança repara

Sonhos que se movem
Na memória nunca morrem
Fortalecidos pela esperança
Do amor que se faz dança

De dois corpos em silêncio
Juras lavradas pelo incendio
Seres em brasa na despedida
Unidos pela dor desmedida

Passos que se vão…
Mas não esquecem a paixão
Suspensos no espaço…
Refém do ausente abraço

Passos…
Que procuram…
Regressar…
Ao caminho…

António Afonso 2016/08/15

(Reservados direitos de autor-Lei 50/2004)

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Chorar por ti…

Imagem:retirada da Internet
Quero chorar…
Mas não sei como,
Não sei por onde!

Levaste minhas falas…
E poemas…
Na tua mente.

Quando falei…
O tempo não ouviu,
E o vento dispersou…

As juras que sonhei
Dizer-te sabe-se la…
Num ápice.

Num lapso…
De vida sem hora…
Nem nora.

No apeadeiro…
Do último ensejo…
Almejado…

Nuvem de cegueira…
Cibada pelas areias
Do tempo.

Quero gritar…
Mas não sei como,
Não sei onde!

Levaste minha voz,
Nos teus ouvidos…
Deixei falas de amor.

Levaste meus beijos
Nos teus lábios
Depositei paixão.

Levaste minhas quimeras
Quando te afastastes
Do meu coração.

Jamais saberei chorar…
Sem ti…


António Afonso 05/08/2016

(reservados direitos de autor – lei 50/2004)